A História do Cooperativismo

A história do Cooperativismo começou quando 28 tecelões da cidade de Rochdale, na Inglaterra, em 1844, reuniram-se com o objetivo de vencer as dificuldades ocasionadas pela Revolução Industrial e, convencidos que a união dos esforços e objetivos afins era o melhor caminho para o sucesso na realização dos projetos, criaram a primeira Cooperativa da qual se tem conhecimento. A partir daí, surgia um novo modo de organização sócio-produtiva: o Cooperativismo.

Cooperativismo é a união de pessoas voltadas para um objetivo comum. Trata-se de um sistema econômico baseado na realização coletiva de alguma atividade produtiva, organizado em bases democráticas. Apóia-se na ajuda mútua para atender, solidariamente, às necessidades sócio-econômicas de todos. No Brasil, Cooperativismo é a união de pessoas voltadas para um objetivo comum.

Trata-se Cooperativismo a união de pessoas voltadas para um objetivo comum. Trata-se de um sistema econômico baseado na realização coletiva de alguma atividade produtiva, organizado em bases democráticas. Apóia-se na ajuda mútua para atender, solidariamente, às necessidades sócio-econômicas de todos. No Brasil, encontramos iniciativas cooperativistas em diversos ramos de atividade econômica, como eletrificação, telefonia, indústria, saúde, consumo, transporte, turismo, educação, habitação, mineração e crédito, dentre outros.

Destaca-se, em vários dos segmentos do cooperativismo, o fato de as cooperativas serem compostas por associados que desempenham, ao mesmo tempo, o papel de proprietários e de usuários dos produtos e serviços por elas oferecidos. Esta prerrogativa gera um alto grau de fidelidade e integração dos profissionais envolvidos com a entidade.

Princípios do Cooperativismo

Os pioneiros do cooperativismo idealizaram o seu movimento baseados em alguns princípios básicos a serem seguidos. Cerca de 150 anos depois, os ideais ainda são mantidos, apenas adaptados para a realidade moderna. Em novembro de 1995, em Manchester, Inglaterra, no XXXI Congresso da ACI (Aliança Cooperativa Internacional), foram votadas as últimas modificações nos 7 princípios, que afinal são:

1. Adesão Livre e Voluntária - As Cooperativas são organizações voluntárias abertas a todas as pessoas aptas a usar seus serviços e dispostas a aceitar as responsabilidades de sócio, sem discriminação, social, racial, política ou religiosa.

2. Controle Democrático pelos Sócios - As Cooperativas são organizações democráticas controladas por sócios os quais participam ativamente no estabelecibemento de suas políticas e na tomada de decisões. Homens e mulheres, eleitos como representantes, são responsáveis para com os sócios. Nas cooperativas singulares os sócios têm igualdade na votação (um sócio um voto); as cooperativas de outros graus são também organizadas de maneira democrática.

3. Participação Econômica dos Sócios - Os sócios contribuem de forma eqüitativa e controlam democraticamente o capital de suas cooperativas. Parte desse capital é propriedade comum das cooperativas. Usualmente os sócios recebem juros limitados (se houver) sobre o capital, como condições de sociedade. Os sócios destinam as sobras aos seguintes propósitos: desenvolvimento das cooperativas, possibilitando a formação de reservas, parte dessas podendo ser indivisíveis; retorno aos sócios na proporção de suas transações com as cooperativas e apoio a outras atividades que forem aprovadas pelos sócios.

4. Autonomia e Independência - As cooperativas são organizações autônomas para ajuda mútua controladas por seus membros. Entrando em acordo operacional com outras entidades, inclusive governamentais, ou recebendo capital de origem externa, elas devem fazê-lo em termos que preservem o seu controle democrático pelos sócios e mantenham sua autonomia.

5. Educação, Treinamento e Informação - As cooperativas proporcionam educação e treinamento para os sócios, dirigentes eleitos, administradores e funcionários, de modo a contribuir efetivamente para o seu desenvolvimento. Eles deverão informar o público em geral, particularmente os jovens e os líderes formadores de opinião, sobre a natureza e os benefícios da cooperação.

6. Cooperação entre Cooperativas - As cooperativas atendem seus sócios mais efetivamente e fortalecem o movimento cooperativo trabalhando juntas através de estruturas locais, regionais, nacionais e internacionais.

7. Preocupação com a Comunidade - As cooperativas trabalham pelo desenvolvimento sustentável de suas comunidades, através de políticas aprovadas por seus membros.

Símbolo do Cooperativismo

Pinheiros: Antigamente o pinheiro era tido como um símbolo da imortalidade e da fecundidade, pela sua sobrevivência em terras menos férteis e pela facilidade na sua multiplicação. Os pinheiros unidos são mais resistentes e ressaltam a força e a capacidade de expansão.

Círculo: Representa a eternidade, pois não tem horizonte final, nem começo, nem fim.

Verde: Lembra as árvores - princípio vital da natureza e a necessidade de se manter o equilíbrio com o meio-ambiente.

Amarelo: Simboliza o sol, fonte permanente de energia e calor.